Seção: Comentários Teleco

21/10/07


O que pode dar errado na licitação de 3G?

Deve acontecer em dezembro o tão esperado leilão de frequências de 3G no Brasil (mais detalhes).

 

As regras estabelecidas pela Anatel para esta licitação têm como objetivos principais garantir a existência de 4 competidores em todas as regiões do país e expandir a cobertura do celular para todos os municípios brasileiros.

 

Para tanto, a Anatel dividiu o Brasil em 9 regiões onde estarão em disputa 4 blocos de frequências. O valor mínimo dos 36 lotes é de R$ 2,8 bilhões.

 

Nota: Numeração das áreas como definido na consulta pública.

 

Note que a região metropolitana de São Paulo e estados do Norte do país formam uma região, da mesma forma que o interior de São Paulo e parte do Nordeste do país.

 

A expectativa é que os 4 blocos de frequências das 5 principais regiões sejam adquiridos por Vivo, Tim, Claro, Oi e Brasil Telecom (BrT).

 

Região Composição
Prováveis Candidatos
Área I RJ, ES, BA e SE.
Vivo, Tim,
Claro e Oi
Área II Região II do PGO (BrT) sem municípios atendidos por CTBC e Sercomtel.
Vivo, Tim,
Claro e BrT
Áreas
III e IV
SP (11) e Norte.
Vivo, Tim,
Claro e Oi
Áreas
V e VI
SP interior (sem munic. atendidos pela CTBC) e Nordeste (Alagoas até o Piauí).
Vivo, Tim,
Claro e Oi
Área X MG sem municípios atendidos pela CTBC.
Vivo, Tim,
Claro e Oi

 

Uma disputa maior pode ocorrer nas outras 4 regiões onde, além destas operadoras, estariam na disputa também a Sercomtel (Área XI) e a CTBC (Áreas VII, VIII e IX).

 

As operadoras que adquirirem frequências de 3G em uma região terão que atender com GSM a 25% dos municípios com menos de 30 mil habitantes da região. A escolha dos municípios será feita em ordem sequencial pelas 4 vencedoras da região, de modo a garantir que 100% destes municípios sejam atendidos. As 4 operadoras poderão também optar por atender com uma rede compartilhada a todos estes municípios.

 

Com este edital é alta a probabilidade da Anatel atingir os objetivos estabelecidos. Afinal, as operadoras sabem que não podem ficar fora desta mudança tecnológica que amplia a oferta de novos serviços com a banda larga móvel e permite a diminuição do preço por minuto de voz em seus planos de serviço com o aumento de capacidade da rede. Deixar de implantar o 3G enquanto as outras o fazem representaria uma desvantagem competitiva muito séria para qualquer operadora.

 

O que pode, então, dar errado na licitação de 3G?

 

O maior risco seria o de não se conseguir vender todos os blocos de frequências em alguma das regiões em disputa. Neste caso, não estaria garantido o atendimento de parte dos municípios com menos de 30 mil.

 

Isto pode ocorrer caso algumas destas operadoras decidam implantar 3G (WCDMA/HSDPA) nas frequências de 850 MHz (Bandas A e B) que ficaram livres com a implantação do GSM.

 

A Claro possui frequências em 850 MHz disponíveis em todo o estado de São Paulo e pode se abster neste estado para não assumir compromissos de cobertura no Norte e no Nordeste.

 

Este não é o caso da Vivo, que utiliza a faixa de 850 MHz para o CDMA e o GSM. Ela poderia, no entanto, se abster de adquirir frequências de 3G no interior de São Paulo, onde necessidade de espectro é menor, para não assumir os compromissos de cobertura da área VI (Nordeste) onde ainda não está em operação.

 

Já Oi e BrT que possuem frequências de 1800 MHz onde o WCDMA/HSDPA ainda não está padronizado não têm muita alternativa. O mesmo vale para a Tim que atende com 1800 MHz parcelas de quase todas as regiões, exceto Área X (Minas Gerais). Lembre-se que todos os municípios do estado de Minas Gerais estarão atendidos até Out/08, graças a um programa do governo estadual.

 

Claro e Telemig já dispõem de redes 3G (WCDMA/HSDPA) em 850 MHz em algumas cidades do Brasil e aguardam apenas autorização da Anatel para entrar em operação. A Anatel alega que esta autorização depende da revogação da Res. 227 (Jun/00) que destina as faixas de 1,9/2,1 GHz para implantação do IMT-2000 (3G).

 

A Anatel não conseguirá barrar por muito tempo a utilização da faixa de 850 MHz para 3G (WCDMA/HSDPA). Afinal, o EVDO da Vivo é também IMT-2000 (3G) e utiliza esta faixa. Isto sem falar do Wimax que acaba de ser reconhecido também como um padrão da família IMT-2000 (mais detalhes).

 

Outro ponto com potencial para complicar este leilão é a decisão a ser tomada pela Anatel em relação à entrada da Telefonica na Telecom Italia e que pode levar a um processo de fusão da Tim com a Vivo (mais detalhes).

 

Diante deste quadro pergunta-se:

  • A Anatel conseguirá vender todos os lotes da licitação de 3G?
  • As 4 irão optar por atender com uma rede compartilhada os municípios com menos de 30 mil habitantes?
  • CTBC e Sercomtel irão adquirir novas frequências em suas áreas de prestação de serviço? Ou irão optar pelo 3G em 850 MHz?
  • Como fica a Unicel com esta licitação?
  • O que pode acontecer se a Anatel entender que a Telefonica participa do grupo de controle da Tim?
  • Quando a 3G (WCDMA/HSDP) estará disponível no Brasil?

Comente!

Para enviar sua opinião para publicação como comentário a esta matéria para nosso site, clique aqui!

 

Nota: As informações expressadas nos artigos publicados nesta seção são de responsabilidade exclusiva do autor.

 

 

Workshop Celular Market Update

 

 

Loading
CONSULTORIA TELECO

Inteligência em Telecom

Estudos e Base de Dados

Relatórios

Celular Brasil 2016

Telecom e Capex

Venda de Planilhas

Dados históricos do Mercado Brasileiro

Workshops

Regulamentação
10 de Maio

Internet das Coisas
30 de Maio

Market Update

Mais Produtos

 
 

EVENTOS

Workshop Regulamentação

Organizador: Teleco
10 de maio

Workshop de Internet das Coisas

Organizador: Teleco
30 de maio

Mais Eventos

LIVROS

 




 

 


Siga o Teleco

linkedin

 

...