Seção: Comentários Teleco

26/10/2008


Balanço de um ano de 3G (WCDMA/HSDPA) no Brasil

 

A Telemig Celular (Vivo) e a Claro foram as primeiras operadoras a terem redes WCDMA/HSDPA em operação comercial no Brasil. A Vivo já possuía uma rede 3G EVDO em operação desde 2004.

 

As redes da Telemig e da Claro entraram em operação em Nov/07 na frequência de 850 MHz. As demais operadoras iniciaram suas operações em 2008, após a licitação de frequências em 1,9/2,1 GHz (mais detalhes).

 

 

 

 

 

Neste período de cerca de 1 ano as redes 3G (WCDMA/HSDPA) se expandiram e já se encontram disponíveis para mais de 64 milhões de pessoas, 34% da população brasileira.

 

A Claro é a operadora líder nesta implantação, atendendo ao maior número de municípios.

 

Operadora Total de Municípios População Coberta (milhões) % da População do Brasil Coberta
Claro 144 68.9 37,4
Vivo
46 40 21,6
Tim 23 36 19,5
BrT Móvel 10 9.4 5,1
Oi 7 18 9,6
CTBC 3 1.2 0,6

 

 

Em Jul/08, a Anatel passou a divulgar a quantidade de celulares 3G no Brasil.

 

 

 

Em Set/09, 1% dos telefones celulares em serviço do Brasil já eram WCDMA/HSDPA. A quantidade de celulares EVDO da Vivo está em queda, enquanto a de WCDMA/HSDPA está em expansão.

 

O crescimento da base de celulares 3G no Brasil dependerá em grande parte da disponibilidade de aparelhos e modems a preços acessíveis. Em Set/08 estavam homologados junto à Anatel 35 modelos de telefones celulares WCDMA/HSDPA (mais detalhes).

 

Em Out/08, podia-se comprar aparelhos 3G desbloqueados ou para pré-pago a preços à partir de R$ 700,00. O modem para acesso banda larga pode ser comprado por menos de R$ 200,00, desde que associado a um plano mensal de uso de dados.

 

A chegada do iPhone 3G ao Brasil no final de setembro já deve ter contribuído para as adições líquidas de 472 mil celulares WCDMA/HSDPA em Set/08, que no mês representaram 20% das adições líquidas.

 

 

 

O Teleco estima que o Brasil vai terminar 2008 com cerca de 4,5 milhões de celulares 3G (WCDMA/HSDPA) o que representaria 3% do total de celulares no Brasil.

 

A penetração de celulares 3G na base de celulares varia muito com o país. Ela começou a crescer mais rapidamente com a entrada em operação comercial de redes HSDPA em 2006.

 

Na Europa a média é de cerca de 20% para os 27 países da comunidade européia, sendo Itália e Portugal os países onde a penetração é maior.

 

A figura a seguir apresenta a evolução do WCDMA/HSDPA em Portugal.

 

 

 

A conversão da base de celulares para a tecnologia 3G é, no entanto, apenas o primeiro passo. Como mostra o exemplo de Portugal, a porcentagem de celulares 3G que acessam serviços de dados é reduzida (20-30%).

 

 

Diante deste quadro pergunta-se:

  • O Brasil vai terminar 2008 com quantos celulares 3G?
  • As operadoras vão continuar ampliando as suas redes 3G em 2009?
  • Como a portabilidade numérica afeta este cenário?
  • Como o iPhone e seus novos concorrentes influenciarão o crescimento da 3G no Brasil?

Comente!

Para enviar sua opinião para publicação como comentário a esta matéria para nosso site, clique aqui!

 

Nota: As informações expressadas nos artigos publicados nesta seção são de responsabilidade exclusiva do autor.

 

 

Comentário de Augusto Ferraz

No próximo dia 31 de outubro, se completa um ano da primeira autorização da Anatel para o funcionamento de uma rede 3G-WCDMA no Brasil. A Telemig Celular, hoje Vivo, foi a pioneira lançando uma rede HSPA em 850MHz apenas na cidade de Belo Horizonte. Pouco mais de um mês depois veio a Claro, também em 850MHz com uma rede HSDPA. TIM, Brasil Telecom, Oi, CTBC e Vivo lançaram ao longo de 2008.


No final do ano passado havia toda uma espectativa sobre as maravilhas que se poderia fazer, a exemplo da video-chamada, banda larga sem fio, e outras funcionalidades aliado à Internet Móvel.

 

Após um ano é fato que o serviço de Video-Chamada não colou no Brasil. Vários fatores podem ser culpados, mas entre os principais, está os custos dos terminais 3G e a falta de interconexão das operadoras; as vezes há problemas de interconexão entre diferentes DDDs na mesma operadora. O custo propriamente dito do serviço não é dos mais caros.

 

A pequena cobertura, também pode agravar, de alguma maneira isso, pois com um sinal abrangente no interior, seria mais viável a comunicação entre pessoas que não se vêem com tanta frequência. A Vivo não se manifestou sobre o serviço embora tenha lançado vários modelos com suporte; talvez esteja reservando para o Natal. Claro permite apenas para Pos-Pagos, segundo eles pré não da lucro! TIM quando funciona, bem, funciona!

 

A tão sonhada banda larga emplacou! Assim pode-se dizer, muita gente comprou! A decepção é que não se trata de banda larga. As queixas são muitas, em todas as operadoras. De lentidão à falta de sinal; sombras nem se fala! Ainda não se tem idéia do número de queixas oficiais em relação ao 3G, mas sabe-se que mesmo debaixo de antena consegue-se em média 500Kbps. Para operadoras como TIM e VIVO que vendem HSPA é muito pouco, pouquíssimo. Oi também fica nessa média, mas a mesma preferiu usar o 3G como uma versão do Velox.

 

A salada de frequências não chega a prejudicar, pois um bom número de aparelhos são dual-band. Nokia lidera em quantidade de terminais. O custo médio fica entre os R$500,00 para os modelos mais básicos podendo chegar em R$2000,00 a exemplo de SmartPhones da Nokia, HTC e Apple. Em termos de modens, o mais comun é AIKO, Sony Ericsson e BandLux.

 

A cobertura aumentou muito pouco. As capitais ainda não tem cobertura total de nenhuma operadora. Tirando a Bahia como exemplo, no interior, apenas, Feira de Santana, Una, Camaçari e Lauro de Freitas desfrutam de cobertura. As áreas com sombras são enormes.

 

Não há como negar que a tecnologia chegou pra ficar, enterrando de vez o EVDO no Brasil. É meio irônico a Vivo deixar de vender terminais EVDO por que custavam a partir de R$600,00, enquanto os WCDMA também ficam na mesma faixa. Todas as operadoras já implantaram e até mesmo a Nextel, já tem demonstrado um interesse. O que será do IDEN?

 

1 Ano ainda é pouco para criticarmos a cobertura, mas é suficiente para cobrarmos qualidade de serviço. A qualidade está muito abaixo do esperado, levando a comparar com o EDGE. Em testes não oficiais, a rede 3G da Oi não permite ver um filme no Youtube com um mínimo de qualidade. É 3G ou é um EDGE vitaminado?

 

 

Workshop

 

 

Loading

EVENTOS

Mais Eventos

 

 


Siga o Teleco

linkedin

 

...