Atualizado em: 28/12/2013

Assim como em 2012, o desempenho do setor foi apenas regular em 2013

 

O ano de 2013 foi considerado regular por 37% dos que responderam a enquete anual realizada pelo Teleco, resultado semelhante ao apresentado por 2012.

 

Ótimo/Bom e Ruim/Péssimo obtiveram a mesma quantidade de votos (31%). Ficaram para trás os anos classificados como Ótimo/Bom pela maior parte dos votantes.

PUBLICIDADE

 

 

 

Esta queda na avaliação pode estar associada à redução na taxa de crescimento do celular no Brasil que deve ficar em 4% em 2013.

 

 

 

A queda nas adições líquidas de celulares ocorre no segmento pré-pago, o Brasil deve fechar 2013 com adições líquidas entre 10 e 11 milhões de celulares. As adições líquidas de pós-pago em um ano irão superar as de pré-pago pela primeira vez.

 

Nota: Os dados de 2013 são projeções do Teleco

 

As vendas de telefones celulares no Brasil devem se manter no mesmo patamar de 2012, puxadas pelo crescimento da venda de Smartphones.

 

O mundo fixo (TV por Assinatura, Banda Larga Fixa e a Telefonia fixa) apresentou queda nas adições líquidas em 2013.

 

 

 

 

 

Com o fim do crescimento de 2 dígitos do celular e o crescimento mais lento dos acessos fixos fica mais difícil crescer a receita. A receita líquida das operadoras fixas e móveis cresceu 4,7% no acumulado dos primeiros nove meses de 2013, quando comparada a igual período de 2012.

 

Nos primeiros nove meses do ano, TIM (7,3%) e América Móvil (7,1%) apresentaram crescimento da receita superior a inflação de 5,7% projetada para 2013 (IPCA). O mesmo não ocorreu com a Telefônica/Vivo (2,6%) e a Oi (2,2%).

 

O impacto se faz sentir também na rentabilidade das operadoras. A margem EBITDA das operadoras do Brasil caiu de 30% nos primeiros nove meses de 2012 para 27% em igual período de 2013, sendo que todas as seis maiores operadoras do Brasil apresentaram redução neste período.

 

Diante deste cenário, cresceu a importância das receitas de dados, levando a um crescimento acelerado da Banda Larga Móvel, com adições líquidas de 34 milhões de acessos, sendo 1 milhão de 4G.

 

 

 

Mas, apesar deste crescimento, ainda são 2G (GSM) mais de 60% dos celulares do Brasil.

 

Os seis principais grupos do setor apresentaram os seguintes destaques em 2013:

 

Merecem ainda destaque em 2013:

 

Em suma, o ano de 2013 consolidou uma nova fase do mercado brasileiro de telecomunicações, iniciada em 2012, com menor crescimento e aumento do foco das operadoras na banda larga (fixa e móvel) que passa a ser o motor do crescimento da receita das operadoras.

 

Diante deste quadro pergunta-se:

 

Comente!

Para enviar sua opinião para publicação como comentário a esta matéria para nosso site, clique aqui!

 

Nota: As informações expressadas nos artigos publicados nesta seção são de responsabilidade exclusiva do autor.

 

 

Workshop

 

 

EVENTOS

Mais Eventos